terça-feira, 19 de junho de 2012



LEIA NA ÍNTEGRA O POEMA ‘A VERDADE APÓCRIFA’ DA OBRA INÉDITA ODE TRISTE PARA AMORES INACABADOS DE AUTORIA DO POETA E ESCRITOR RIBAMARENSE FERNANDO ATALLAIA



A verdade Apócrifa


Para Tony Platão, Sérgio Buarque de Holanda e Elisa Lucinda





Quem me incitou ao balé das luzes

Não via que me estranhava a nudez do palco?







O passado de outro fardo sou outro

Raiz amarga

E sozinho não me verão ator




A Verdade Apócrifa: poeta prefere a sofreguidão dos mares de Ribamar a hipocrisia dos peixes de duas pernas





Quem me despertou para o espetáculo sóbrio das mesmas coisas

Não via que as falas da peça ungiam o trauma de todos os passos

Na flacidez da cólera?








Quem me usurpou a solidão me deu a câmara para o ostentar do gânglio

E o âmago de vossos pares






O âmago de vossos pares











Quem me quis entre vós

Me quis vômito e não sabia











1999














N° de visitas

relogio

Facebook

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:

(98) 9 8767-7101

E-mail:

agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com



Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB