Cidade de Ribamar passou o ano de  2014 sufocada pela violência, ausência de políticas públicas, descaso do Governo municipal em diversas áreas da administração e sob o comando de um prefeito que desconhece seu povo e realidade.

Por Fernando Atallaia
Editor da Agência Baluarte

São José de Ribamar passou um dos piores anos de sua história em 2014. Viu crescer o aumento da violência em mais de 200 assassinatos praticados em seu território e assistiu ao abandono de seu povo em todas as áreas da Gestão Pública.

Manifestações do funcionalismo público; desprezo do Governo municipal por concursados, desemprego e a falta de politicas públicas arrojadas e consistentes nos setores da administração também marcaram o ano.

DESCASO COM A EDUCAÇÃO EM 2014 Professores interditam principal via da cidade 

Na esfera interna do Governo de Cutrim, o Secretariado continuou como é de praxe, a trabalhar em prol das eleições do gestor e, conseguiu eleger o irmão caçula do prefeito que, mesmo sob fortes suspeitas de compra de votos e barganha política, garantiu vaga na Assembleia Legislativa.

TENSÃO Docentes em frente ao Liceu Ribamarense em grande manifestação; eles exigiram seus direitos durante todo o ano 
A falta de Trabalho, Emprego e Renda na cidade escancarou por todo ano a falência da gestão de Cutrim e de suas Secretarias dando espaço à criminalidade. O prefeito, por sua vez, manteve a política do release e conseguiu segurar a estrutura conivente existente na Câmara de Vereadores há anos. Outro Poder que em 2014 foi duramente criticado pela população ribamarense por atuar como uma extensão do Executivo na cidade.

INFRAESTRUTURA ESFACELADA Ruas de Ribamar foram entregues ao abandono em 2014 
Na área da Saúde, milhares de reclamações dando conta do péssimo atendimento nos hospitais e UBS do município levaram os ribamarenses ao desgosto generalizado e manifestações ocorreram. Os profissionais que atuam na área ameaçaram paralisar por falta d’água.

2014 foi também o ano do esfacelamento da Infraestrutura. Ruas, avenidas e vias de Ribamar foram entregues ao descaso e, sob visível abandono da Prefeitura Municipal, deixaram-se registrar pelos habitantes da cidade em grande promoção contra a terrível administração de Cutrim. Denúncias e reclamações acerca da atuação do titular da Pasta, o amigo de baladas do prefeito, André Franklin também ecoaram por todo município e Maranhão afora.
VIOLÊNCIA IMPEROU Ano foi marcado por mais de 200 assassinatos em solo ribamarense
Na Educação, Turismo e Cultura não foi diferente. Nenhum progresso ou avanço foi notado. Ao contrário, os professores do município interditaram avenidas no Centro da cidade em gritantes barrigadas de insatisfação. Pelos bairros, pneus foram queimados e os munícipes foram às ruas. A cultura do ‘pão e circo' continuou sendo adotada na área cultural e as únicas ações da Prefeitura foi a organização dos eventos São João e Carnaval. Nenhum projeto estrutural ou diferenciado (salvo alguns vindos de São Luís) foi implementado pelo Governo de Cutrim. No Turismo, os agentes e guias foram delegados a ociosidade e ao desemprego. A pasta responsável pelo Setor não saiu da invisibilidade.
O irmão caçula do prefeito, Glaubert Cutrim: eleito em 2014