LITERATURA BRASILEIRA: FERNANDO ATALLAIA

Poesia Sempre!
Leia na íntegra o poema ‘Alguma Escuridão’ da obra inédita Horizontes Fustigados de autoria do poeta e jornalista maranhense Fernando Atallaia

Alguma escuridão

 A Kendra Lust

Quando os rastros dos seres tortos vivos mortos subirem à multidão das ruas grandes, Menores
As ruas vagas lentas raras parcas ruas nas ruelas de estradas tristes prolongadas
Onde o mundo não sabe se nasce ou acaba

A atriz pornô Kendra Lust: homenageada pela poética atallaiana em versos 
Quando o sol desvirginado lançar sobre os homens sós algum pólen ou migalhas de fogo néctar Energia ou caule

Quando o rebento primeiro ou derradeiro átomo sugar ao longe a insensatez da árvore
Vômito de fruto espargindo revolta
Jambeiros avermelhados clamarão aos púbis
Reentrâncias aprofundadas hão de lapidar-se

''E ela densamente chegará à porta dos sacrificados cobrando seu lânguido/necessário espaço''
Nessa hora
Nessa bendita e maldita hora os amantes hão de espantar-se da fria retórica por um segundo
E ela densamente chegará à porta dos sacrificados cobrando seu lânguido /Necessário espaço

Uma geometria adoecida pelos séculos enrijecidos em vizinhanças de feiras/sacolas  
Uma senhora. Nuca no vão uma boca ao chão (per)vertido ali se fará desvelamento, aurora, sintaxe 

''Uma senhora. Nuca no vão uma boca no chão(per)vertido ali se fará desvelamento, aurora, turbilhão'' 
As mães as filhas as novas camélias de agora
A pobre luz na varanda a cintilar na língua rouca
Da garganta à boca coberta cerrada
Tênues arranhões do desejo a ser tecido

Uma águia de 1 62cm a devorar serpentes aos tragos de exaustão?  
A liberdade sobre a mesa a respirar fundo uma escuridão impaciente
É nesse desabrochar que aos trancos e dentes ela ousar perfurar
Imaginações soterradas líquidas palavras e demais revelações

Um busto. Quando do levantar das vestimentas, um busto a saltar no Crânio do miserável de caricias seu inferno interminável
Ela mais que hoje uma fera na pele saltitante entre as intermediárias
A endoderme gritante
Uma fera a engolir a angústia dos rejeitados de cerimoniais
Nada mais: uma deusa de pele, espinho e osso
Eis aí a alma e o espírito do ser

Fernando Atallaia, São José de Ribamar, Agosto de 2012


Homem vestindo uniforme da Cemar assalta loja na Cohab, em São Luís

Cemar disse que está acompanhando o caso para prender o assaltante.
Toda a ação do bandido foi filmada pelas câmeras da loja.

Clientes e funcionários de uma loja no bairro da Cohab, em São Luís, foram assaltados na tarde desta segunda-feira (14) por um homem que vestia um uniforma da Companhia Energética do Maranhão (Cemar). Toda a ação do bandido foi filmada pelas câmeras da loja.

Na ação, o assaltante encosta no balcão parecendo esperar por atendimento e pouco depois anuncia o assalto. Com uma arma na mão, recolhe o dinheiro do caixa e pertences das pessoas que estavam na loja e foge logo em seguida.


CEMAR
Augusto, presidente da CEMAR, quer saber como o homem conseguiu o uniforme
Em nota, a Cemar disse que está acompanhando o caso no sentido de prender o autor do assalto e esclarecer o uso do uniforme de uma empresa terceirizada pela companhia (veja a nota na íntegra).

NOTA
Sobre o assalto registrado em um estabelecimento comercial em São Luís na tarde desta segunda-feira (14), a Cemar informa que está acompanhando as ações das autoridades policiais no sentido de prender o autor do crime e esclarecer o uso da farda de uma empresa terceirizada da companhia nesse evento.


A prática de delitos por pessoas que se disfarçam de prestadores de serviço de concessionárias de energia, água, telefone ou TV a cabo tem se tornado cada vez mais comum, por isso a Cemar orienta para que as eventuais vítimas desse tipo de crime levem ao conhecimento das autoridades policiais da sua cidade através do telefone 190 e a Cemar acompanhará o resultado das investigações como forma de garantir um atendimento de qualidade e segurança para seus clientes.


AS INFORMAÇÕES SÃO DO G1
EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE 

Durante depoimento, Lula chama delegado da Polícia Federal de 'querido' por 29 vezes

No dia 4 de março, o ex-presidente tornou-se alvo da 24ª fase da Operação Lava-jato e foi levado por agentes para depor no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Lula teria recebido em benefícios valores oriundos de esquema na Petrobras.

Lula tornou-se alvo da 24ª fase da Operação Lava-jato e foi levado por agentes da PF para depor (Crédito: Edilson Dantas / Agência O Globo)
 Lula tornou-se alvo da 24ª fase da Operação Lava-jato e foi levado por agentes da PF para depor
Crédito: Edilson Dantas / Agência O Globo
Confira as vezes que Lula se referiu ao delegado da PF como 'querido':

Declarante:­ Aí não sei, querido.
Declarante:­ Eu não sei, querido, não tenho a menor noção.
Declarante:­ Não sei, querido.
Declarante:­ Não sei, querido.
Declarante:­ Ah, eu não sei, querido, precisar a data.
Declarante:­ Eu não sei, querido.
Declarante:­ Não fui. Então, querido, é por isso que eu fui fazer palestras, porque foi a forma mais decente e a mais digna, recebi proposta para ser conselheiro do Banco de Desenvolvimento da China não aceitei, recebi convite para ser conselheiro de empresas multinacionais que trabalham no Brasil não aceitei, porque eu não quero ser consultor e não sou conferencista, eu sou um contador de caso, de uma história de governança bem resolvida.
Declarante:­ Não, não tenho, não tenho noção, querido, não tenho noção.
Declarante:­ Não, a viagem deles é paga, eles vão de avião de carreira antes, e a viagem deles é paga pelo esquema da presidência, no meu tempo era bem pouquinho, devia ser uns cem reais, ou seja,querido, eu vou lhe contar uma coisa, eu quando vejo denúncia de corrupção, eu vejo e acho que tem muita, eu devo lhe contar uma história, deputado Paulo, a primeira viagem que eu fiz para a ONU, 23 de setembro de 2003, os companheiros que levam a bagagem, alguns companheiros de segurança levaram, eu vou até, porque está filmando aqui, eu vou falar que tive utilidade um dia na vida, levaram frango com farinha, chegaram no hotel, aqui no hotel que todo mundo acha que é chic, o Waldorf Astoria, não tem?
Declarante:­ Eu falei a palavra “convênio”, mas, que veja, se eu for fazer uma palestra no Rio Grande do Norte, a mim interessa que esteja presente a Federação dos Empresários do Rio Grande do Norte, a Federação dos Bancos do Rio Grande do Norte, a Federação... pra mim interessa levar o grosso dos empresários locais. Então normalmente as empresas contatam com as empresas locais e fazem parceria. Às vezes é na sede da Federação do Estado, às vezes é na sede da Federação de um país, às vezes é num centro empresarial em Berlim, às vezes é num centro empresarial, sabe... na Índia. E eu vou lá pra falar do Brasil. Não vou lá pra falar de empresa, querido. Eu lá pra falar do Brasil, eu vou lá pra falar de como é possível governar um país pensando no povo, essa é a coisa que mais me dá orgulho e a coisa que mais eu faço na vida.
Declarante:­ Não sei o que é, querido.
Declarante:­ Deve ter prestado algum serviço, querido.
Declarante:­ Ah, querido, é a vida particular dele, é particular.
Declarante:­ Não, querido. Não sei.
Declarante:­ Eu não sei, não sei, querido.
Declarante:­ Ah, eu não tenho noção, querido. Eu vejo valor em 10, em
11, em 12...
Declarante:­ Não sei, não sei, querido.
Declarante:­ Não sei, querido. A única coisa que eu posso te dizer é
que, ou ficou lá, ou ficou noutro lugar.
Declarante:­ Não sei, querido.
Declarante:­ Não uso cartão, querido.
Declarante:­ Eu não sei, querido...
Declarante:­ Não sei, querido.
Declarante:­ Não sei, querido.
Declarante:­ Não sei, querido.
Declarante:­ Eu não sei a data que consta, querido.
Declarante:­ Eu não sei, querido, não sei. Esse Pedro Correia era um cidadão que usava... Ele tinha um ditado que dizia o seguinte “Quem usa terno branco, sapato branco e RayBan não fica bem na oposição.” Esse cidadão era pernambucano, eu tive o prazer de ver ele uma vez, numa reunião de líderes, dentro do palácio do planalto, para discutir as medidas provisórias de interesse do governo.
Declarante:­ Não. Deixa... Eu acho que é importante esclarecer o seguinte, querido, a Petrobras é uma empresa que tem muita autonomia. Eu até brincava que na outra encarnação o presidente da Petrobras vai ser eleito democraticamente pelo povo e ele indica o Presidente da República, porque a Petrobras Tinha mais dinheiro do que o governo pra fazer investimento, porque a Petrobras tinha muito mais coisa pra fazer. Eu lembro que quando o Fernando Henrique Cardoso era Presidente ele dizia: “A Petrobras é uma caixa preta, que a gente nunca sabe o que acontece lá dentro.” Aquilo é uma corporação muito poderosa. Então as conversas que a gente tinha, a companheira Dilma, Ministra da Energia, com o Gabrielli, e antes com o Jose Eduardo Dutra que era o presidente da Petrobras. E muitas coisas que a gente decidiu eles fingiu que iam fazer e não faziam, porque eu chegava lá e predominava o interesse da corporação. Petroleiro é que nem nego da Polícia Federal, bicho, não dá moleza não, não faz o que a gente quer. Faz o que quer.
Declarante:­ Do mesmo jeito, querido. Do mesmo jeito.
Declarante:­ Acho que nenhum, querido. Nenhum, nenhum, é uma pena, que o José Dirceu era um grande dirigente político. Acho que poucas pessoas têm a cabeça privilegiada do ponto de vista político que tem o José Dirceu.
Clique aqui e confira o depoimento na íntegra.
AS INFORMAÇÕES SÃO DA CBN

Postagens populares